<< Voltar



Guarapari é o balneário mais conhecido do Espírito Santo. Suas areias monazíticas deram-lhe o apelido de Cidade Saúde. Esta península possui mais de vinte praias ao longo da costa, recortada por morros, falésias e arrecifes. Durante o verão, a população do balneário chega a 600 mil pessoas, quase dez vezes mais que o normal.


Este povoamento começou em 1569, com as visitas do padre José de Anchieta ao Espírito Santo. Um núcleo de índios Temininós já vivia na região antes disso. Entretanto, só em 1585, 16 anos depois, é que o jesuíta fundou a quarta e última aldeia em terras espírito-santenses. Os padres se fixaram no alto de uma colina. Lá eles construíram uma casa e uma igreja dedicada a Sant´ana e Santa Maria. Esta edificação pode ser admirada ainda hoje. Os índios que se afeiçoaram aos jesuítas passaram a residir junto à igreja e o aldeamento foi crescendo paulatinamente, inclusive com a vinda de alguns portugueses. 

Quando a aldeia foi fundada, os guarás eram abundantes na região, e ajudaram a formar o nome da cidade. Pari seria uma armadilha indígena utilizada para capturar esta garça vermelha. Ao longo do tempo, os guarás foram desaparecendo. Atualmente, poucos exemplares da espécie se reproduzem em cativeiro. Os jesuítas abandonaram a aldeia em definitivo depois que ela foi elevada à categoria de vila, permanecendo fixados somente em Reritiba, atual cidade de Anchieta.

No século XIX, Guarapari era mais importante que Cachoeiro e Anchieta por causa do comércio. Entretanto, os moradores eram geralmente pobres e tinham poucos escravos. Produzia-se cana-de-açúcar para fabricação de aguardente, algodão, arroz, feijão e mandioca. Por volta de 1850, esta era a Vila de maior importância no sul da Capitania. Guarapari recebeu foros de cidade em 19 de setembro de 1891. Três distritos compõem o município atualmente: Guarapari, Todos os Santos e Rio Calçado. 

Guarapari foi a primeira cidade-porto ao sul de Vitória. Era visitada anualmente por uma média de 93 navios em 1923, pouco mais da metade dos que aportaram em 1915. No início da década de 30, a área central de Guarapari contava com cerca de 240 casas. Até o início dos anos 50, a cidade era muito pacata. O comércio se concentrava em frente à antiga prefeitura, atual Casa da Cultura. A vida econômica se resumia basicamente na pesca e na extração de areia monazítica. 

A cidade passou a ser atração turística depois que o médico Antônio da Silva Mello fez uma descoberta. Entre 1930 e 1940, estudando a ação das areias da cidade, observou que eram benéficas no tratamento das polinevrites. O município passou a ser conhecido através dos artigos de Silva Mello publicados na revista O Cruzeiro, no Jornal do Brasil e em outras de circulação nacional e científicas. Mello já era conceituado pelas suas pesquisas sobre os efeitos da radioatividade sobre o sangue e os órgãos hematopoéticos, realizadas com tório X no Instituo de Radium de Berlim em 1914. 

fonte: www.gazetaonline.com.brï